segunda-feira, 12 de abril de 2010

Cadê a graça?

Nem na minha pior fase depressiva e decrépita, senti tanta ânsia pela morte. Nem mesmo quando passava os dias trancado no quarto ouvindo incessantemente Legião Urbana, mas precisamente Clarisse, a faixa 6 do álbum Uma Outra Estação, tomando vinho e o que tivesse pela frente, marcando o corpo com uma tesoura de tamanho médio e cabo amarelo e desejando que entre um corte e outro, atingisse "sem querer" uma véia fatal e ali pudesse ver o mundo em preto e branco, como nos filmes onde o espírito sai vagando sem rumo.

Raspar a cabeça com uma gilete velha, sair de casa e voltar alguns dias depois com cicatrizes ainda maiores, não me trouxeram nada de bom, pelo contrário, me distanciava cada vez mais do meu objetivo, que era chamar a atenção. Essa era minha forma de gritar pros quatro cantos que eu não estava bem, que os erros dos outros estavam afetando minha vida e precisavam parar de cometê-los ou mais pessoas sofreriam com aquilo, mas não, conquistei mais desprezo, mais indiferença e fui me tornando um ser inquieto, esquisito e cada dia mais ensimesmado.

Permiti que pouquíssimos amigos tomassem conhecimento, mesmo que parcialmente, da minha história e logo depois, os via se afastando ou eu os afastava, ninguém quer se responsabilizar pelo sofrimento alheio, mesmo que seja com um simples conselho. Isso foi bom, me tornou forte, consegui blindar meu coração para determinados sentimentos, pena não para todos os sentimentos.

Me sinto vivendo num deserto, andando sem rumo, sem água, sem forças, mas de repente, avisto um oásis incrivelmente belo, com frutos e água em abundância e todo cansaço é substituído por vivacidade e entusiasmo, a alegria é radiante, felicidade perfeita. O que vem depois todo mundo sabe, nada era de verdade, tudo ilusão.
Essa montanha russa de sentimentos e instabilidade de humor, não tem nenhuma graça, é irritante até para quem está próximo, pois gera uma espécie de pena e repugnância, pois julgam logo ser um fricote de quem tem muito, mas não valoriza.

Concordo, eu mesmo sinto isso por alguns, mas como todos dizem, eu digo: meu caso é diferente. Será?
Mas não quero convencer ninguém das minhas convicções e revoltas com o mundo e seu Comandante, mesmo porque, também tenho agradecimentos e admiração, e assim sigo sem graça, ora vivendo, ora sobrevivendo, mas sempre tentando... até quando? não sei.

Um comentário:

  1. "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é" (Caetano Veloso).

    ResponderExcluir